Adolescência: Amadurecimento social diante de uma pandemia

Taís Santos

Taís Santos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
WhatsApp

Adolescência: Amadurecimento social diante de uma pandemia

O mundo vive atualmente em uma pandemia, o COVID-19 despertou medo na população em diversos níveis. Idosos são a parcela da comunidade mais vulnerável, crianças devem ser protegidas dos seus cuidadores, os adultos em geral se preocupam com a saúde e com sua vida produtiva (econômica, financeira, profissional, entre outros), mas … E os jovens?! Como os adolescentes devem ser preparados e orientados frente ao desafio que uma pandemia propõe?!  

E vamos considerar aqui, não somente a pandemia que nos atingiu neste momento, mas todo e qualquer desafio imposto por nossa condição social de forma geral, questões como saúde pública, distribuição de renda, estrutura política e cultural, violência, globalização entre outras devem figurar no campo de experimentação dos adolescentes. A medida que se deixa a infância para a fase de transição que denominamos adolescência é preciso compreender que esta pessoa passará a compreender de outra maneira a si mesmo e a realidade onde se insere, em um processo que chamamos de amadurecimento.

Os adolescentes vivem em um período da vida no qual o subjetivo para a ser conhecido e mediado, os desejos e medos ganham novos sentidos, obtém autonomia e buscam construir e preservar sua identidade à medida que se colocam em seu papel social. Assim os adultos de referência devem se propor a esclarecer as funcionalidades comunitárias estando junto do jovem para aprender sobre qual a parcela de cada indivíduo na sociedade e ajudá-lo a se posicionar com tranquilidade neste cenário.

Para o COVID-19 os adolescentes devem estar cientes dos riscos e complicações e dos motivos que levam um governo e órgãos de saúde a impor medidas como mudança de rotina e isolamento social, devem conhecer, quanto possível as consequências familiares, financeiras e até mesmo políticas sobre a questão. Adultos de referência (pais, responsáveis, tutores, professores, familiares) não devem temer este momento de aprendizado, ou tratar o adolescente como uma criança incapaz de compreender o que ocorre.

Para esse momento e para tantos outros nesta fase da vida é possível contar com apoio psicológico, para que os adultos de referência se sintam seguros e tranquilos diante dos questionamento e inquietações dos adolescentes e para os jovens que devem processar grande nível de informações e aprendizados, que são determinantes para uma vida adulta saudável e de qualidade, possam encontrar equilíbrio.

Compartilhe
Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
WhatsApp

Leia Também

autoconhecimento
Catiane Giocondo

Multitarefas & Armadilha da Mente

Multitarefa economiza tempo, é produtiva e eficiente. Mito ou verdade?
Reflexões sobre esse assunto podem apontar causa de ansiedade, aceleração mental e até mesmo desvalorização pessoal, por não atingir a capacidade de realizar multitarefas como ditas benéficas ao homem moderno.

Leia Mais

Deixe uma resposta